As 10 cobras mais venenosas do mundo

Cobras são animais que despertam medo e fascínio em muita gente e esse post definitivamente tem tudo a ver com isso. Se você gosta do assunto, que tal conhecer quais são as 10 cobras mais venenosas do mundo?

10. Cascavel:

Cobra-Cascavel

Comum no continente africano (incluindo o Brasil), as cascavéis possuem um veneno potente e capaz de degenerar os órgãos e interromper a coagulação do sangue de suas vítimas. Os sintomas de seu veneno são dificuldade em respirar, salivação excessiva, paralisia e hemorragia.

Veja também – Qual é o significado de sonhar com cobra?

9. Cobra da morte:

Cobra-da-morte

Originária da Austrália e Nova Guiné, a cobra da morte possui um veneno capaz de provocar a morte em até 6 horas, mas que pode se estender a 2 dias. Antigamente a taxa de mortalidade após uma picada era de 50%, mas atualmente essa estatística é de 5% graças aos antídotos corretos. Seu veneno é uma neurotoxina capaz de provocar paralisia e insuficiência respiratória e, seus sintomas podem demorar até 48 horas para serem notados. Ou seja: muitas vezes a vítima não percebe a seriedade do caso até ser tarde.

8. Víboras:

Víbora

Comuns na Ásia Central, Índia e Oriente Médio, elas são animais noturnos e velozes, e catalogadas em cerca de 200 tipos diferentes. Seu veneno é mais fácil de lidar do que as demais cobras pois a morte ocorre somente após um ou dois dias da picada, o que faz o tratamento correto ter eficácia, porém seus efeitos são ruins. Sua picada pode causar necrose no músculo próximo da mordida, inchaço no rosto, vômito, dor severa e falhas cardíacas.

7. Cobra Filipina:

Cobra-Filipina

O que torna esse tipo de cobra perigosa é que ela não precisa morder a vítima para matá-la: isso porque ela pode cuspir o veneno com alcance de até três metros. Seu veneno é capaz de interromper a transmissão de sinal dos nervos próximos aos músculos afetados, alterar funções cardíacas e respiratórias, provocando a morte caso a vítima não tenha ajuda médica em trinta minutos. Os sintomas do seu veneno são dores de cabeça, vômito, dor abdominal, tontura, diarreia e convulsões.

6. Cobra tigre:

Cobra-tigre

Originada da Austrália, essa cobra tem um veneno potente e capaz de matar apenas 30 minutos após a picada – embora possa se estender até 1 dia. Agressiva quando está encurralada, o veneno dessa espécie tem sintomas como dor no pé e área cervical, dormência, suor excessivo, problemas para respirar e paralisia.

5. Mamba Negra:

Vinda do continente africano, a mamba negra tem um veneno capaz de matar rapidamente. Sem antídoto, sua taa de mortalidade é de quase 100% em tempo que pode variar entre 15 minutos até 3 horas. Seu veneno pode causar dor, sensação de formigamento na boca e extremidades do corpo, visão dupla ou em túnel, febre, confusão mental, falta de controle muscular e salivação excessiva, podendo evoluir para dor abdominal, náuseas, paralisia, convulsão e parada respiratória. Para piorar, seu comportamento tende a ser agressivo e pode alcançar até 20 km/h.

4. Taipan:

Taipan

Originada da Austrália, essa cobra pode aparecer até mesmo em ambiente urbano. Seu veneno é hemotóxico, fazendo o sangue da vítima coagular e bloquear artérias e veias, além ainda de poder paralisar sua vítima em segundos.

3. Krait Malasiana:

Krait-Malasiana

Originária do sudeste asiático, a Krait Malasiana é muito perigosa. Estima-se que 50% das vítimas de suas picadas acabem morrendo mesmo após o soro antiofídico. Seu veneno pode causar perda da função dos nervos, paralisia dos músculos, câimbras, tremores, espasmos musculares e paralisia.

2. Cobra marrom:

Cobra-marrom

Vinda diretamente da Austrália, essa cobra possui um veneno tão forte que uma única gota já é capaz de matar.

1. Taipan do Interior:

Taipan-do-interior

Também chamada de “cobra de barriga amarela”, a Taipan do Interior é australiana e seu veneno apresenta toxidade cerca de 100 vezes superior ao da cascavel. A picada dessa espécie causa paralisia respiratória e pode levar a morte em poucos instantes.

Apavorantes, não é mesmo?

Leave a Reply